mauricioguedes

No início de junho, as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro sediaram o evento Hightech Nation. A edição carioca aconteceu no centro de convenções da bolsa de valores, no Centro da cidade, e contou com a participação de atores do governo e do setor privado, além de representantes da Technion – Israel Institute of Technology.

 

O evento, que foi apoiado pela Agência UFRJ de Inovação, tratou de temas como a geração e aceleração de negócios, alta tecnologia e inovação. Os principais destaques foram as apresentações de Boaz Golany e de Rafi Nave, ambos da Technion, que, fundada em 1912, trata-se da mais antiga universidade de Israel.

 

A primeira apresentação ficou por conta do professor Boaz Golany, vice-presidente de relações externas e desenvolvimento de recursos da Technion. A tônica da apresentação foram as peculiaridades que compõem o ecossistema de inovação de Israel. O professor Golany explicou que o papel de protagonismo que o país desempenha na área de inovação deve-se a uma combinação de ações governamentais que primam pela diversificação econômica e que, por isso, visam sempre ao incentivo ao empreendedorismo. Prova disso é que Israel representa hoje em dia a 2ª região do mundo onde mais surgem start ups, ficando atrás apenas do Vale do Silício, nos EUA.

 

Segundo Golany, há também um fator cultural que não deve ser negligenciado: “A sociedade israelense constitui-se enquanto um corpo social desierarquizado e informal que tende a questionar qualquer forma de autoridade, o que acaba repercutindo no desenvolvimento de uma mentalidade mais suscetível ao empreendedorismo”. A existência de recursos humanos qualificados é outro fator crucial para explicar o sucesso de Israel no que se refere à inovação. Nos dez anos compreendidos entre o período de 1989 e 1999, Israel recebeu cerca de um milhão de imigrantes soviéticos. Obviamente, veio junto uma imensa carga de conhecimento gerado na antiga URSS.

 

A segunda apresentação ficou a cargo de Maurício Guedes, que, além de ser diretor do Parque Tecnológico da UFRJ, coordena a Incubadora de Empresas da Coppe. Segundo ele, a missão do parque é “criar um ambiente de cooperação entre universidade, governo e setor privado”. Maurício explicou que no Parque Tecnológico, inaugurado em 2003, estão atualmente localizados centros de pesquisa de 11 grandes empresas, 6 laboratórios, 7 pequenas e médias empresas, além de 30 start ups, resultando na geração de mais de 2000 empregos diretos até o momento.

 

Em seguida, foi a vez de Rafi Nave, diretor do centro de empreendedorismo da Technion, falar. Segundo Nave: “A dinâmica do empreendedorismo é análoga à de uma gravidez, mas a diferença é que uma gravidez tem 90% de chance de ser bem sucedida, e um empreendimento tem 90% de chance de fracassar”. A frase de efeito ilustra bem a tônica da apresentação de Nave, que foi a relação de interdependência entre a disposição para a assunção de riscos e a existência de uma cultura empreendedora. Além da coragem para assumir riscos, Nave atribui o sucesso de Israel na área de inovação à baixa interferência estatal na economia, fruto de uma política que sempre se mostrou contrária ao excesso de regulação governamental.

 

Cabe ressaltar, contudo, algumas especificidades conjunturais israelenses. Israel trata-se de um país pequeno com um mercado interno incipiente (apenas 8 milhões de habitantes) e que conta com vizinhos, digamos, não muito amigáveis, impossibilitando negociações econômicas. Conforme o próprio Nave explicou: “Diante deste panorama de falta de opções, é natural primar pelo livre mercado”. Deste modo, se o Brasil pode aprender importantes lições com a experiência israelense, é preciso ter em mente que o cenário brasileiro é bem diferente e possui características próprias que demandam soluções igualmente originais.

 

AGÊNCIA UFRJ DE INOVAÇÃO
Rua Hélio de Almeida, s/n - Incubadora de Empresas - Prédio 2 (salas 25 a 29)
Cidade Universitária | Ilha do Fundão | Rio de Janeiro - RJ | 21941614
21 3733-1793 | 21 3733-1788

              facebook        
 twitter 
UFRJ Agência UFRJ de Inovação - PR2 - UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ