culturadainovacao

 

Coordenação de Desenvolvimento da Cultura da Inovação (CDCI)


A coordenação tem como objetivo reunir, sob uma mesma plataforma, os esforços com os quais a Agência UFRJ de Inovação esteve envolvida, desde sua criação, com as temáticas da Inovação Social e do Empreendedorismo. A prática de atuação nestes setores vem seguindo uma característica – de participação, apoio e fomento - que se mantém e se amplia de forma dinâmica. Exatamente por isso, é natural que novas formas de atuação surjam, bem como novos horizontes de interesse e atenção. Com a experiência acumulada dos últimos anos, foi ficando cada vez mais consolidada a percepção de que a forma eficaz de diminuir o gap de conhecimento sobre a inovação seria por meio de uma estruturação de base, ou seja, na construção de uma cultura da inovação.


Em essência, o trabalho da Agência nos setores da Inovação Social e do Empreendedorismo, tem se dado na forma de articulação entre os atores envolvidos em torno de uma ideia ou projeto. Esta articulação ganhou distintas formas de atuação, uma vez que se adequava a cada empreendimento apoiado, alterando, assim, o tipo de papel exercido. Ora direcionando os caminhos institucionais a seguir. Ora contribuindo no planejamento de um projeto já existente. Ora auxiliando no desenvolvimento de ideias em construção.


O formato destas atuações, também vem variando de maneira distinta e ganhando formas diferenciadas, como: reuniões; mesas de discussões temáticas; visitas técnicas; palestras; workshops; consultorias; minicursos; cursos formais em parceria com coordenações de graduação e pós-graduação; e até, atuação direta no desenvolvimento de alguns projetos.


A Coordenação de Desenvolvimento da Cultura da Inovação tem, então, alguns objetivos:

- Organizar e gerar material de conteúdo crítico, observando as tendências e informações contextuais – dos diferentes campos de possibilidades;

- Articular as forças do meio produtivo, com os agentes institucionais, com o intuito de criar novas sinergias e novas oportunidades;

- Promover as articulações necessárias ao desenvolvimento de ideias e projetos, com foco na efetividade;

- Difundir os construtos¹ "empreender e inovar" como temáticas transversais no desenho das trajetórias dos sujeitos, desde a escolha de objetos de estudos até aplicação do conhecimento;

- Correlacionar a cultura de inovação aos projetos pessoais de desenvolvimento, assim como a convivência universitária;

- Oferecer espaços de co-planning por meio de palestras, cursos, oficinas e interlocuções;

- Contribuir na construção de políticas ou projetos institucionais que dialoguem com a temática da inovação, em suas múltiplos possibilidades;

- Apontar trilhas de aperfeiçoamento por meio das iniciativas e recursos já existentes na universidade; [Incubadora, Mova, etc.]

- Fazer parte dos processos de apoio ao potencial sujeito da ação inovadora ou empreendedora, englobando suas circunstâncias, motivações, potenciais, contingências e incertezas;

- Propiciar uma agenda cultural, por meio de encontros (palestras, rodas de interação e grupos de estudos) priorizando temas considerados ‘atravessamentos’, como fatores de vulnerabilidade ou que impulsionam trajetórias ou projetos empreendedoras/inovadores;

- Contribuir para a visão multidisciplinar (característica do fenômeno da educação empreendedora na sociedade contemporânea) explorando a transversalidade entre matérias de programas distintos e nas conexões entre as diferentes ciências sociais, humanas e tecnológicas;

- Realizar periodicamente ‘Consórcios de Orientações’ na forma de galerias de projetos inovadores, com a apresentação das produções semestrais, dos
participantes do Lab. Cenários, para obtenção de feedback e encaminhamentos;

 


¹ Construto designa em ciência um conceito teórico não observável. Exemplos de construtos são personalidade, amor, medo. Tais conceitos são usados na linguagem comum, mas para se tornarem um construto científico necessitam de uma definição clara e de um embasamento empírico. Modelo criado mentalmente que estabelece um paralelo entre uma observação idealizada e uma teoria. Ideia ou teoria construída a partir de elementos conceituais ou subjetivos, não baseados em evidencias empíricas. [Psicologia] Ideia ou conceito que é resultado da sintetização de ideias mais simples.Etimologia (origem da palavra construto). Do latim constructus; pelo inglêsconstruct, "construído".

AGÊNCIA UFRJ DE INOVAÇÃO
Rua Hélio de Almeida, s/n - Incubadora de Empresas - Prédio 2 (salas 25 a 29)
Cidade Universitária | Ilha do Fundão | Rio de Janeiro - RJ | 21941614
21 3733-1793 | 21 3733-1788

              facebook        
 twitter 
UFRJ Agência UFRJ de Inovação - PR2 - UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ